Patrulha Mawé

Maués ou mawés é o nome de uma tribo indígena. Falam a língua sateré-mawé, integrante única da família lingüística de mesmo nome, pertencente ao tronco tupi.

Atribuem a sua origem ao cadáver (Icançoque) do filho de Onhiámnuaçabê, plantadora e conservadora do Noçoquém. Depois da tribo dos tapajós, tornou-se a mais numerosa naquela região de confluência do rio Tapajós.

Teve como principal inimigo a tribo mundurucu, e seus vizinhos, os apiacás, os kawahib-parintintins, os andirazes e os muras.

Segundo algumas fontes, o nome da tribo seria uma junção das palavras sateré, que significaria "lagarta de fogo", e mawé, que significaria "papagaio inteligente e curioso".

Os jesuítas chegaram na região em 1659, com a fundação da Missão de Tupinambarana, fazendo cessar o comportamento dos Maués com os restos mortais de seus pares, que consistia na defumação do cadáver, mumificando-os, e uso de urnas funerárias, casas especiais, na companhia de ídolos de pedra.

Os maué foram os inventores da cultura do guaraná. Foram eles que transformaram a trepadeira silvestre em arbusto cultivado, com o plantio e o beneficiamento dos frutos.